terça-feira, 14 de abril de 2020

Bons ventos...

Hoje tá sendo um dia diferente de todos, tá ventando bastante...
E eu fechei meus olhos pra sentir esse vento,
Ele veio com vozes, com músicas suaves, leves e calmas, ora medos, gritos, mas já não consigo ouvi-los com tanta intensidade,
Acho que aquele turbilhão passou né, estou começando a dar tchau a ansiedade!?
Aquele confronto todo de medo, de solidão, de estar só, e conseguir se conectar.
Quanta coisa ruim temos, tanta escuridão, tanta ilusão, tanto medo, tanta, mas tanta confusão!

Essa presença de ouvir tua própria respiração, buscar se acalmar, é cheia de intenção.
As vezes dá um medo, se escutar, se fuçar bem lá dentro,
Lá...
Lá mesmo onde faltava entender o que precisa ser preenchido, se entender que agora, só tu é o teu próprio abrigo!
E lá, não tem ninguém pra te julgar, tem alguém, que no caso, é tu mesmo, pra te confrontar, mas pensa pelo lado positivo, isso tudo de escuro, que tá enxergando é pra te ajudar, a se encontrar cada vez mais, se curar, de coisas que no dia-a-dia, sem quarentena, a gente não consegue, visualizar, enxergar, se curar.
Eu friso muito a cura, porque é necessário para que se atinga uma altura de conhecimento, de poder, de afirmação e declaração, da que hoje eu falo em minhas poesias "Sou linda, sou preta, sou África!", cheia de emoção!
Não digo isso, porque vivo todo o dia essa declaração não, é um exercício diário, de quebra de padrões, conceitos, e estudos que eu mesmo fazia e aprendia, e vivia, mas que hoje se caíram pela nova pessoa que me torno a cada estadia comigo mesmo!
E te digo, não vem fácil, não é nada fácil, é de chorar, é de sempre se quebrar muito, mas vale a pena cada milésimo de segundo...
...por hoje,
eu reconheço esse vento no meu rosto com muita gratidão.
Hoje eu sinto esse vento ancestral cheio de paz, de amor, de calmaria.
Depois de uma madrugada, de estar só, vem a soberania de solitude.
De encontrar em tua presença uma plenitude, de sentir cada vez mais forte a minha pretitude.
E não de uma forma tão estudada, mas de uma forma vivida, falada para depois por em prática.
Porque eu sempre, como uma virginiana intensa, busco sentir antes de poder falar.
E hoje esse vento de Iansã que veio me tocar, veio dizer pra você se deixar florescer!
Parando de dizer o quanto é difícil estar confinado, isolado, o quanto está entediado!
Realmente, eu sei o quanto é difícil estar só, sem aquele calor de afeto, dengo ou xodó.
Mas não pra ficar tentando achar fora o que não te preenche dentro, sabe, aquele acalento...
Então, que esse vento de hoje, trás um pouco de preenchimento interno, teu próprio acalento, de se tocar, se amar, se suprir por só, se encontrar ...
E saber que realmente tu tem tudo o que precisa dentro de ti, que tem inteligência, que tem harmonia, que tem toda a perfeição de nossos ancestrais, Deuses e Deusas, a verdadeira harmonia, e eles todos conseguem te suprir com tudo tudo que precisa, te curar, para que não se sinta mais só, e sim completo por si só a ponto de amar a tu próprio e no momento certo sair para as ruas para amar todos que puder e celebrar...
Ser peito aberto, ser amigo e seu abrigo, essa luz que é tão bonita de se ver, que você e outros estarão dispostos a navegar, até encontrar você, consigo, comigo...

0 comentários:

Holding on to Jah

Esconderijo - Ana Cañas