segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Joguei fora.

Veio um vendaval chamado ano da tal justiça,

Entreguei tudo aquilo que não queria que a mim, pertencia,
Joguei fora todo o suor mal dado,
Joguei fora do amor que não fora pertencido,
Joguei fora a solidão, 
Substitui por imensidão,
Joguei fora energias negativas,
Substitui por cura da áurea,chamada reflexiva,
Joguei fora falsas amizades, interesses, maldade,
Foquei em mim, aprendi a ser egoísta, sem maldade,
Joguei fora tudo que não me fez bem,
Coube a mi. Escolher entre o que ficou, ficar e ficará,
E o que lá fora hei de jogar.
Continuei minha missão, e continuo,
No silêncio, na solidão,
Como quiser nomear,
Eu sei o nome, imensidão eu vou chamar,
Porque é sem limite de amor, sem limite de cura,
Sem limite de jogar fora tudo aquilo que me deixa crua,
Sem limite para aconchego,
Sem limite para o sossego,
Gratidão por todo o olho aberto e coração agora, atento!

Holding on to Jah

Esconderijo - Ana Cañas