terça-feira, 16 de agosto de 2016

Eu cresço.

Resultado de imagem para mulher africana

"Por entre linhas e escritas se desfazem,
as mágoas, se desfazem, os rancores,
os desamores, se desfazem,
os prantos...

Refazem-se os cantos dos cantos sofridos ditos,
Refazem o auto-domínio,
A construção de um novo Eu,
a revolução e o apogeu.

O brilho da lua, faz com que eu siga,
nua,
Retirando o suor do meu corpo cansado,
do desprazer magoado.

A lua que cresce em mim, amadurece
A transformação e a transição 
dos Eus antigos...

...eu consigo!!"

segunda-feira, 15 de agosto de 2016



"O grande fato do Eu desconstruir todos os dias,
É provar que somos humildes, que erramos,
Que buscamos todos os momentos mais uma nova oportunidade para recomeçar,
A vida começa a cada manhã, a cada manhã novos ares alimentam nosso respirar,
Nosso peito se enche novamente, como um batizar,

Batizar este de pureza, seguindo, sentindo e vivendo a sagrada beleza,
A beleza de um eterno amanhecer, a beleza de mais uma vez ter a oportunidade de florescer,

Florescer nos ensina, ensina a caminhar com sabedoria,
Deixar de lado o passado, os erros e principalmente a ironia,
Ironia esta do passado, de viver atrelado aos maus-tratos,
Maus-tratos estes do passado, do sofrer, do afago não pago,

A noite escura, nos trás também a cura, a cura da lua,
A cura da rua, a cura nua, preta como nossa pele chicoteada e madura,
Não, eu não sofri chicote e nem açoite eu sofri e sofro todos os dias por eles,
Carrego seus sentimento, carrego comigo todo o xingamento,

Carrego em meu ser, no meu ventre a não saúde delas,
Carrego em mim todas as ervas,
Ervas aquelas que a cada dia me ensinam a conviver, um novo nascer,
Sabedoria, beleza, florescer.

Descontruindo para construir, um futuro melhor para os que estão por vir,
Vou vivendo, vou seguindo, vou sentindo,
Viva, olho firme, pulso firme, construindo."

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Das sutilezas...

"A vida cheia de batalhas,
Enfrentadas dia-a-dia,
Cheia de desamores, construídos e desconstruídos a cada milésimo de segundo,
Mas, eu, ahhhh, eu, paro o meu mundo,
Ordeno a desordem,
Bagunço a bagunça organizada,
Faço de mim uma nova morada,
Faço do meu coração um poço cheio de Sião,
Faço do meu templo, o tempo do tempo,
Faço das minhas palavras, palavras de amor,
Faço dos meus passos o mais puro louvor,
Honro minhas raízes por onde ando,
Honro meu Deus, aquele que e santo,
Honro a geometria sagrada que trás a compreensão,
Que consegue tirar o meu coração desse mundo de ilusão,
Faço de mim a cada instante um recomeço,
um novo endereço, adereço de crescimento,
Amadureco conforme minha solidão,
Dou valor as sutilezas da vida do bom dia,
Dou valor a sagrada medicina,
as plantas, as flores, o verde,
que dá cores ao dia-a-dia, cheia de batalhar, eu levo a vida,
simples, sofrida e vivida..."


Holding on to Jah

Esconderijo - Ana Cañas