sábado, 18 de abril de 2020

Auto Afeto.

Chega de pensar negativo, chega de seguir somente teu instinto,
É momento de saber consagrar a suas matriarcas,
Recolher e acolher toda auto-estima que fora te ofertada.
Momento de se observar, se amar, se cuidar.
Se encontrar, se entender e se observar.

Sabemos quanto tempo isso levou.
Sabemos o tanto que o opressor nos derrubou,
mas com o nosso florescimento interno,
nosso eu se levantou e Supremo se tornou.

Revelando cada ensino de dentro para fora,
Reformando cada partícula do nosso feminino.
Sempre seguindo as nossas guerreiras brasileiras,
grandes domínios.

De se conhecer internamente,
curar através de ensinos ancestrais, nossas dores que ainda se fazem quentes.

Através do ar, respirar e meditar.
Através da terra, se reconhecer e se firmar.
Do fogo, vem o instinto sexual, poder este, que é extremamente triunfal.
Das águas, vem a cura, vem o abraço de África,
Concluindo as quatro modalidades, nos tornamos cada vez mais Dádivas.

Abençoadas então, por nossas Deusas,
Enfeitamos nossos corpos com a Realeza,
Adornos de reconhecimento interno,
Que abrangem nosso externo, fazendo com que ele se torno nosso Templo Supremo.

De poder real, dos quatros elementos,
Torno-me Rainha Imortal do meu próprio Conhecimento.

Consagro os adinkras em meu corpo,
Sendo sempre guiada pela lei do retorno.
Não crio mais medo, eu crio o acalento.
De rugir com a minha própria lei,
Baseada nos ensinos reais de Haile Selassie.
Ocupando sempre ao lado de sua Rainha,
Nos provando que a união de corpos é a real Maestria.

De sempre se valorizar e olhar,
Se reconhecer como grande parte de África.
Quebrar correntes do passado e caminhar junto ao lar,
O lar do seu corpo-templo, enfim se priorizar... 

0 comentários:

Holding on to Jah

Esconderijo - Ana Cañas