terça-feira, 23 de março de 2010

Indignação (Poema escrito por Daniel Sena)


Bom dia aos indignados e aos parasitas,
Observe, cheire e sinta,
Sinta o que seu coração, sua alma tem a dizer,
Sinta o que seu eu tem a re-dizer...

Sem mais,

Todo Amor de Cristo.

"
Indignados, já! Todos nós!
Não quero ver um sem ter seu coração tocado,
não quero ver um ser sem sentir o gosto amargo
quero que todos vocês entendam o que é sentir a dor
não quero que pensem com o estomago alimentado
nem que fujam para as fantasias do televisor,
quero todo mundo indignado
quero todos na clemência do "por favor"...
Não questione quem inventou o pecado,
castigo por castigo eu me torno voluntário,
se me redimir quando castigado for...
Não faça nada provido das lamúrias,
proclame aquilo que diz o teu senhor
que seu senhor seja um santo abençoado
e não vestido com a manta do enganador
Indignados todos nós
a luta não sera armada, será afaga, dos afagos ao amor
que cada gesto seja um grito
e cada grito tenha valor
que nossa arte tenha sentido
que nosso sonho seja realizado
que você tenha juízo
que não deixe as pessoas sem juizado
Ajudem-nos a indignarmos
Ajudem-nos a varrer pro lixo o sofrimento
recicle seu sentimento devasso, impuro, inútil...
Tenha pavor ao descaso
Tenha horror de quem cruza os braços
Mobilização já!
Palavras de ordem...
ajude a curar,
aquele que já nem consegue se indignar...
"

0 comentários:

Holding on to Jah

Esconderijo - Ana Cañas